Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Comentários recentes

  • André Pinto

    Vim para portugal e não entreguei o permi será que...

  • Paulo Bastos

    Bom dia nuno eu gostaria que me ajuda ses eu ando ...

  • Nuno Barreto

    Dependendo da posição à qual se candidata, pode te...

  • Cristóvão Barroso

    Olá muito bom dia. Sou psicólogo em portugal, falo...

  • Nuno Barreto

    Em princípio só o facto de ter contrato de trabalh...





Publicidade


Como arranjar trabalho na Suíça

por Nuno Barreto, em 31.07.08

Todas as semanas há alguém que me pede ajuda para emigrar para a Suíça. A crise em Portugal e as excelentes condições de vida aqui na Suíça fazem com que se torne um destino cada vez mais apetecível, quase como se fosse o Céu na terra. Eu gosto de ajudar, mas milagres não é comigo.

 

Primeiro que tudo, é importante dizer que emigrar não é um mar de rosas. É uma experiência difícil e exigente a vários níveis: Emocional, financeiro, familiar, etc. Exige um período de adaptação não só a um novo emprego, mas a uma nova cultura e a uma nova língua. E para piorar, não é só uma pessoa que passa por isso, é toda uma família. São raras as pessoas que emigram porque sim, a maioria emigra por necessidade, o que já é em sim stressante. E tudo o resto ainda causa mais stress em toda a família.

 

Posto isto, é verdade que a vida aqui é melhor. Fora ser um pouco mais frio e mais chuvoso, há muitas vantagens. Ganha-se melhor, as pessoas são mais simpáticas e prestáveis, mais honestas, e as cidades funcionam muito bem. Mas por outro lado é muito difícil arranjar casa, e temos que dar 3 meses de renda adiantada (as casas rondam os 700€ por mês no mínimo, para uma espelunca). E os primeiros tempos, antes de receber o primeiro ordenado, são muito difíceis. É preciso vir com algum capital para nos aguentarmos nos primeiros meses.

 

Quanto a arranjar trabalho em si, não é fácil. Quem é da União Europeia tem mais facilidades que os outros, mas mesmo assim os Suíços têm sempre prioridade. Para quem tem cursos superiores competitivos (informática, medicina, etc), é relativamente fácil, desde que se fale minimamente o francês ou o alemão, dependendo da zona. Mas para os outros é bastante mais difícil. A taxa de desemprego para estrangeiros que procuram empregos não qualificadas é de 10%. E isto só a contar com aqueles que estão cá registados, fora a grande quantidade que vem cá tentar a sorte e depois volta sem nada.

 

Todos os dias a embaixada recebe dezenas de telefonemas de pessoas a pedir ajuda para encontrar trabalho. Poupo-vos já o trabalho: eles não ajudam. E ainda bem, que eles têm mais que fazer do que ser agência de empregos.

 

Bom, sendo assim, como é que se arranja emprego? Para trabalhos qualificados, nada como mandar CVs a empresas interessantes da área, e ir tentando a sorte, ou usar sites de emprego(jobup.ch, jobs.ch, etc). Para os outros, resta-lhes o recurso a agências de emprego e agências de trabalho temporário. Agências essas que já têm uma lista enorme de gente a pedir emprego. No fim, a melhor forma é ter mesmo alguém conhecido que conheça uma empresa que precisa de pessoal.

 

Por causa deste blog, as pessoas estão sempre a pedir-me trabalho. Não tenho trabalho para dar a ninguém. Conheço empresas que estão interessadas em programadores Java/J2EE, PHP, ou Oracle PL-SQL. O máximo que posso fazer é dar o email para onde enviam o CV. Mas melhor que isso não posso fazer...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16

Publicidade



1045 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel Moreira a 19.02.2017 às 20:21

Ola eu gostava de imigrar para a Suíça se me puder ajudar a conseguir trabalho fico muito agradecido

Comentar post





Comentários recentes

  • André Pinto

    Vim para portugal e não entreguei o permi será que...

  • Paulo Bastos

    Bom dia nuno eu gostaria que me ajuda ses eu ando ...

  • Nuno Barreto

    Dependendo da posição à qual se candidata, pode te...

  • Cristóvão Barroso

    Olá muito bom dia. Sou psicólogo em portugal, falo...

  • Nuno Barreto

    Em princípio só o facto de ter contrato de trabalh...